Agentes da Empresa de Limpeza Urbana de Salvador (Limpurb) também estão de plantão 24h para fazer a limpeza em todas as praias de Salvador. Foto: Igor Santos/Secom/Reprodução

Agentes da Empresa de Limpeza Urbana de Salvador (Limpurb) também estão de plantão 24h para fazer a limpeza em todas as praias de Salvador. Foto: Igor Santos/Secom/Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro usou as redes sociais neste sábado (12) para alfinetar a Organização das Nações Unidas (ONU) e as organizações não governamentais (ONGs) que atuam em causas ligadas ao meio ambiente. No Twitter, Bolsonaro disse que o governo brasileiro está procurando os responsáveis pelo espalhamento de óleo que atingiu 139 praias brasileiras e criticou uma suposta falta de engajamento das entidades.

Leia também:
Vazão de usina pode evitar avanço de óleo no Rio São Francisco
Óleo em praias tem origem na Venezuela, diz laudo de universidade
Investigação aponta 23 navios que podem ter despejado óleo
Oceanógrafo da UFPE descobre como óleo chegou às praias do NE

“Desde 02/setembro nosso governo busca identificar os responsáveis pelo derramamento de petróleo nas praias do Nordeste. Estranhamos o silêncio da ONU e ONGs, sempre tão vigilantes com o meio ambiente”, escreveu. Ao longo da semana, o presidente já havia declarado ter “quase certeza” de que o petróleo tem origem em um “ato criminoso”, embora essa suspeita ainda não tenha sido confirmada.

O material identificado até agora em amostras tem a “assinatura” do petróleo da Venezuela, ou seja, a composição da borra é de origem venezuelana, segundo estudos da Petrobras e da Marinha. Na quinta-feira, dia 10, a Marinha também informou que está cobrando esclarecimentos de 30 navios-tanque de dez diferentes bandeiras que transitaram nas proximidades da costa entre Sergipe e Rio Grande do Norte nos últimos meses.

Embora Bolsonaro tenha dito que as ONGs estão em silêncio, as principais organizações do setor já fizeram manifestações sobre o tema. O Greenpeace, por exemplo, publicou no próprio Twitter esta semana fotos das manchas no litoral brasileiro e disse que a situação demonstra “demora das autoridades em identificar a origem e mitigar os impactos do petróleo”, o que, na visão do Greenpeace, “prova que o governo não está preparado para responder a casos de derramamentos”.

Por sua vez, a WWF tem feito várias postagens no Twitter com fotos e reportagens que mostram os impactos do derramamento de petróleo sobre a vida marinha e as atividades econômicas nas regiões atingidas. A WWF também vinha fazendo uma campanha nas redes sociais contra a exploração de petróleo nas proximidades do Parque Nacional Marinho de Abrolhos, no Sul da Bahia. O leilão desta semana acabou sem oferta de empresas para exploração nos campos próximos do parque.

Já a Organização Marítima Internacional, braço da ONU para assuntos relacionados à segurança marítima e à prevenção da poluição nos oceanos, está apoiando a Marinha e a Polícia Federal brasileira nas investigações das embarcações que transitaram pela costa, conforme informou a própria Marinha.

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também

Vídeo: passageira diz que motorista de app tem “corzinha complicada”

[embedded content] Um motorista de aplicativo de Salvador, na Bahia, denunciou uma passage…