Atual líder do governo Bolsonaro no Senado, Fernando Bezerra Coelho teria recebido propina, segundo a PF, quando era ministro da Integração Nacional no governo Dilma Rousseff. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Atual líder do governo Bolsonaro no Senado, Fernando Bezerra Coelho teria recebido propina, segundo a PF, quando era ministro da Integração Nacional no governo Dilma Rousseff. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

A Polícia Federal (PF) aponta, na investigação sobre suposto esquema criminoso envolvendo o líder de governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho, indícios de pagamento de propina de até R$ 5,5 milhões ao parlamentar, quando este era ministro da Integração Nacional no governo Dilma Rousseff.

Leia também:
Líder do governo, Fernando Bezerra Coelho é alvo de operação
Polícia Federal cumpre mandado de busca e apreensão em empresa de JP

Acordos de colaboração premiada de três empresários implicaram o senador e seu filho, o deputado federal Fernando Filho, alvos de mandados de busca e apreensão nesta quinta-feira (19), em Brasília, no Recife e em Petrolina (PE), cidade natal da família.

Segundo a Polícia Federal, há diversos elementos de prova que indicam o recebimento dos valores, entre 2012 e 2014, pagos por empreiteiras, em razão das funções públicas exercidas pelos parlamentares.

“Há diversos indícios da prática de crimes de corrupção ativa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro”, afirmou o ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso, autor da decisão que autorizou a operação. “O montante total das vantagens indevidas chegaria, segundo a autoridade policial, a pelo menos R$ 5.538.000,00”, acrescentou.

A manifestação da Procuradoria-Geral da República (PGR) foi contra a busca e apreensão nos endereços de Fernando Bezerra Coelho. “Não há indícios de que ele registrasse os atos praticados, pois, ao contrário, adotou todas as medidas para manter-se longe deles, de modo que a medida invasiva terá pouca utilidade prática”, disse a então procuradora-geral Raquel Dodge

Defesa

O advogado André Callegari, que defende Fernando Bezerra e Fernando Coelho Filho divulgou nota sobre a operação desta quinta-feira. “Causa estranheza à defesa que medidas cautelares sejam decretadas em razão de fatos pretéritos que não guardam qualquer razão de contemporaneidade com o objeto da investigação A única justificativa do pedido seria em razão da atuação política e combativa do senador contra determinados interesses dos órgãos de persecução penal. A defesa ainda não teve acesso ao pedido e à decisão do ministro que autorizou as medidas, mas pode afirmar que as medidas são desnecessárias e extemporâneas”.

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também

Ativistas do Greenpeace são presos em protesto no Palácio do Planalto

O Greenpeace realizou protesto na manhã desta quarta-feira (23), em frente ao Palácio do P…