Incêndio atinge prédio do Hospital Badim, no bairro do Maracanã, zona Norte da cidade (Fernando Frazão/Agência Brasil)

Incêndio atinge prédio do Hospital Badim, no bairro do Maracanã, zona Norte da cidade (Fernando Frazão/Agência Brasil)

Os pacientes que morreram em decorrência do incêndio no Hospital Badim, zona norte do Rio, estavam internados no Centro de Tratamento Intensivo (CTI), no 3° andar do prédio mais antigo do hospital. A principal causa das mortes foi asfixia por ingestão da fumaça tóxica que se desprendeu, após um curto circuito no gerador instalado no subsolo do prédio. O incêndio começou no final da tarde de ontem (12).

O Instituto Médico-Legal (IML) divulgou os nomes dos dez corpos que deram entrada na unidade. Todos foram identificados e necropsiados e estão liberados para os familiares.

As vítimas são:

Alayde Henrique Barbieri, 96 anos
Ana Almeida do Nascimento, 95 anos;
Berta Gonçalves Berreiros Sousa, 93 anos;
Darcy da Rocha Dias, 88 anos;
Irene Freitas, de 83 anos;
José Costa Andrade,79 anos
Luzia dos Santos Melo, 88 anos;
Maria Alice Teixeira da Costa, 75 anos;
Marlene Menezes Fraga, 85 anos;
Virgílio Claudino da Silva, 66 anos.

A décima primeira vítima, confirmada pelo diretor técnico do Hospital Badim, Fábio Santoro, morreu no Hospital Israelita Albert Sabin, no bairro do Maracanã, para onde foi transferida, logo após o incêndio. O corpo não foi transferido para o IML e o nome da vítima ainda não foi divulgado oficialmente.

Leia também:
Incêndio em hospital no Rio de Janeiro deixa onze mortos
Incêndio atinge hospital no Rio; pacientes são retirados às pressas

Segundo o IML, os equipamentos aos quais muitas dessas vítimas estavam ligadas deixaram de funcionar no momento do incêndio. A diretora do IML, Gabriela Graça, confirmou que a maioria morreu por asfixia. E disse que os equipamentos que mantinham pacientes vivos deixaram de funcionar na hora do incêndio. “São descompensações das doenças que as pessoas tinham, relacionadas aos aparelhos que as mantinham vivas e deixaram de funcionar em razão do incêndio”, disse.

Pela manhã, a Polícia Civil havia confirmado dez mortes e investiga as causas dos incêndio. Na noite de quinta, o hospital informou que um curto-circuito no gerador do prédio 1 da unidade de saúde provocou o início das chamas, que espalharam fumaça para todos os andares do prédio antigo.

A Defesa Civil interditou, por motivos de segurança o Hospital Badim e também outros quatro imóveis no entorno. As interdições foram totais em duas casas da vila que fica aos fundos do hospital, e outras duas foram parciais, em imóveis na mesma vila

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Leia também

Capacitação profissional é cada vez mais importante em épocas de crise econômica

Embora a taxa de desemprego tenha diminuído 11,8% no último trimestre, segundo dados Insti…