Olá, meu nome é Montserrat e, desde que me tornei mãe, tive a amarga sensação de que todos podiam dar opiniões sobre minha maternidade. Desde que meu bebê nasceu, todo mundo começou a falar sobre o que eu deveria ou não fazer. Algumas pessoas com melhores intenções que outras. E embora eu e meu marido tenhamos deixado claro que apenas nós dois tomaríamos decisões sobre como criar nossa filha, uma das coisas que causou controvérsia entre nossos conhecidos foi a amamentação prolongada.

Quero compartilhar com os leitores do Incrível.club por que escolhi amamentar minha filha (mesmo após dois anos) e quais são os benefícios que senti com a amamentação prolongada.

Quando comecei a amamentar

O que é a amamentação prolongada e como superei o tabu de mantê-la

Segundo a OMS, o mais aconselhável é que a amamentação seja a única forma de alimentação de bebês até os seis meses de idade. A partir daí, é possível introduzir alimentos adequados e seguros na dieta da criança e, ao mesmo tempo, manter a amamentação até dois anos ou mais. No entanto, em muitas sociedades, a amamentação após essa idade é malvista, apesar do fato de a OMS recomendar mantê-la enquanto a mãe e o filho desejarem.

Comecei a amamentar nos primeiros minutos de vida da minha filha e, embora o processo tenha sido doloroso no início (a queda no leite ocorreu dois dias depois), para nós foi um elo que ocorreu naturalmente e sem muito esforço. O mesmo não se aplica a algumas mães. A falta de informações ou apoio do meio em que vivem podem ser fatores para que se desmotivem e desistam do processo.

No meu caso, recebi apoio do meu parceiro; portanto, durante o primeiro ano da minha filha, a amamentação aconteceu sem problemas. Mas assim que passamos esse período, percebi que os olhos estavam novamente voltados para mim e a nova pergunta complicada era: “e até quando você pretende amamentar?”

Benefícios para o bebê e a mãe

O que é a amamentação prolongada e como superei o tabu de mantê-la

De acordo com um estudo realizado pelo Comitê de Aleitamento Materno da Associação Espanhola de Pediatria, a amamentação em crianças mais velhas (acima de dois anos) não deve ser considerada algo que aconteça fora da norma, mas como um objetivo ideal.

É claro que, durante todo o meu processo de amamentação, me mantive informada sobre os benefícios que traria para minha filha e para mim. Inicialmente, eu sabia que toda vez que ela se alimentava no meu peito eu estava fornecendo muitos nutrientes (um estudo diz que há uma relação entre a concentração de proteínas no leite e o crescimento, que dobra o peso do bebê) e reforçando seu sistema imunológico.

Ao mesmo tempo, aprendi sobre os benefícios que a amamentação também traria para mim, como a possibilidade de reduzir significativamente o risco de câncer de mama ou de ovário e até mesmo uma diminuição do risco de diabetes tipo 2, evitando artrite e / ou doenças cardíacas. Sem contar a economia em nosso orçamento familiar por não precisar comprar leite de fórmula!

Com essas informações, decidi continuar amamentando depois que minha filha completou um ano de idade, convencida de que faria o meu melhor, mas também ciente de que talvez um desmame natural pudesse acontecer. Mas, embora as doses tenham sido reduzidas, meu bebê não demonstrou interesse em deixar o leite materno, muito menos em quebrar o forte vínculo entre nós.

As crises de amamentação

O que é a amamentação prolongada e como superei o tabu de mantê-la

É claro que, embora a amamentação inicialmente tenha sido “simples” para mim, nem tudo foi cor-de-rosa. Durante esses vinte e oito meses de leite materno, passamos pela chamada crise da amamentação. Meu bebê passou por essas famosas “crises de crescimento” e eu sentia cansaço, dor e passei por um episódio ocasional de agitação na amamentação. Às vezes, penso em desmamar minha filha, especialmente quando há dias em que se torna difícil, mas acontece. Isso sempre acontece. E depois de alguns dias assim, agitados ou exigentes, voltamos à normalidade das mamadas noturnas.

Se tem uma coisa que aprendi com a maternidade foi ser paciente. Não exigir mais da minha filha e nem de mim mesma. Estou ciente das vantagens que tive para que a amamentação fosse bem-sucedida. Por exemplo, trabalhar de casa (ao contrário das mães que precisam bombear leite para ir trabalhar em um escritório), ter o apoio do meu marido e acesso a profissionais de saúde (pediatra, ginecologista nutricionista e afins) que também apoiam a amamentação.

Uma amamentação sem preconceitos

O que é a amamentação prolongada e como superei o tabu de mantê-la

Uma das frases que mais ouço quando digo que continuo amamentando minha filha aos vinte e oito meses é “seu leite é apenas água”. E isso, obviamente, não é verdade. O leite materno não perde suas propriedades ao longo do tempo. Na verdade, a Associação Espanhola de Pediatria diz que, após doze meses de amamentação, a quantidade de gordura no leite aumenta e se torna muito mais nutritiva para um bebê “mais velho”, que recebe da mãe 1/3 das necessidades calóricas e proteicas, bem como vitaminas e minerais. E isso pode aumentar em períodos de doença. Entre outros benefícios, comprovados por estudos estão:

  • Proteção imunológica e menor chance de infecções em comparação com crianças que não são amamentadas.

  • Menor incidência de alguns tipos de câncer infantil.

  • Maior desenvolvimento intelectual da criança, de tal forma que pode levar a um nível mais alto de educação e renda econômica na vida adulta.

  • Melhor desenvolvimento emocional e psicossocial da criança.

  • Melhor relacionamento entre a criança e os pais durante a adolescência e melhor saúde mental na vida adulta. Isso também foi observado em casos de crianças adotadas que tiveram a amamentação induzida.

Recomendações de uma mãe lactante a outras

O que é a amamentação prolongada e como superei o tabu de mantê-la

Quando penso na minha amamentação prolongada como uma amamentação bem-sucedida, certamente também penso nas oportunidades que tive para que isso acontecesse. Por esse motivo, acho importante que outras mães que estão prestes a iniciar o caminho ou que já estejam lá, com incertezas ou dúvidas, sintam-se apoiadas.

Minhas recomendações, muito pessoais, são:

  • Procure ajuda de uma consultora de amamentação. Muitos dos casos de mães que têm dificuldade em seguir amamentando devem-se à falta de informação, orientação ou apoio. As consultoras de amamentação são responsáveis ​​por guiá-la no caminho mais adequado para que aproveite esse processo entre você e seu filho. No meu caso, me aconselhei desde a gravidez.

  • Alimente-se bem. Coma de forma saudável e várias vezes ao dia. Procure sempre ajuda profissional. Aqui você pode consultar um guia muito básico.

  • Sirva-se da portabilidade. Carregar seu bebê não é apenas uma excelente oportunidade para estabelecer um vínculo seguro, também ajuda a amamentar de maneira prática e confortável.

  • Tente se divertir durante a amamentação. Às vezes, com minha filha, leio um livro enquanto ela mama. Mesmo que ela tire uma soneca, prefiro reduzir os estímulos na sala e acariciar suas mãozinhas ou pés. Aproveite esse momento, talvez no dia seguinte seu filho ou filha decida parar de mamar.

  • Envolva seu parceiro. Embora pareça que o aleitamento materno seja exclusivo das mães, os pais também podem participar como apoio. Se você tem atividades em casa que a ocupam e que podem desviar sua atenção ou tempo com seu bebê, pode chegar a um acordo com seu parceiro para cuidar delas enquanto tira um tempo para amamentar.

  • Siga o seu instinto. Ninguém saberá o que é melhor para você e seu filho, somente você. Independentemente de se decidir amamentar ou não.

Pegue-o com calma e simpatia

O que é a amamentação prolongada e como superei o tabu de mantê-la

Bebês que já andam e correm podem passar menos horas dependendo do peito, mas estão sempre procurando uma maneira de se conectar com a mãe … mesmo nos momentos mais inoportunos! Minha filha às vezes me procurava quando eu estava no banheiro. Às vezes, em locais públicos, como no saguão do aeroporto, eu a pegava e puxava minha blusa, ficando um pouco envergonhada, mas … as crianças crescem e cada estágio é divertido e inesquecível. Você só precisa ter muita paciência e facilitar as coisas.

A amamentação é uma fonte potencial de benefícios, presentes e futuros. No entanto, o mais importante é que todas as mães e famílias se sintam incluídas e respeitadas pelas decisões que tomam na criação. A rejeição social que as mulheres enfrentam quando decidem amamentar após dois anos de idade não é apenas absurda, também contradiz tudo o que se pretende obter inicialmente com a normalização da amamentação.

E você, optou pela amamentação? Foi agradável? Consideraria mantê-la depois que seu filho ou filha completasse dois anos? Ou talvez tenha amamentado por mais tempo? Conte-nos sua experiência nos comentários.

Ilustrado por Elena Sorokina exclusivo para Incrivel.club

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Saúde & Bem Estar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Leia também

Criança sofre queda dentro de creche municipal e fratura perna em Campinas; Pais reclamam

Compartilhar Facebook Twitter WhatsApp Email Um menino com 2 anos e meio de idade caiu e f…