Levante a mão quem nunca falou mal de alguém. Todos já criticamos amigos, familiares ou conhecidos alguma vez na vida, isso é muito normal. O problema aparece quando as críticas deixam de ser construtivas e, de repente, percebemos que estamos fofocando o tempo todo. Um estudo psicológico descobriu que esse hábito bastante desagradável revela o que as pessoas pensam sobre si mesmas e o quanto são felizes ou infelizes.

O Incrível.club encontrou detalhes bastante interessantes sobre o assunto. Tente reconhecer pessoas conhecidas com o perfil que mostraremos e conheça diferentes maneiras de evitar esse tipo de comportamento.

O que se esconde atrás da crítica destrutiva

professor Dustin Wood realizou um estudo para a Universidade Wake Forest (EUA) em que explica que as pessoas que criticam os outros pelas costas tendem a ser infelizes e em geral apresentam um grande risco de sofrer de depressão.

Pessoas assim, na realidade, estão insatisfeitas consigo mesmas e projetam nos outros aspectos da própria personalidade que não aceitam. Se sente vazias, mas não possuem a capacidade de se autoexaminar e mudar aquilo que as incomoda. Nesse sentido, usam a crítica destrutiva para se sentir melhor. É muito mais fácil e até mesmo divertido criticar do que olhar para dentro de si. Obviamente, essa situação não é nem um pouco agradável nem para a pessoa que critica e nem para as que estão ao seu lado.

“Uma percepção positiva a respeito das outras pessoas indica satisfação com a nossa própria vida”.

Dustin Wood

Falar mal dos outros esconde uma baixa autoestima

Falar mal dos outros é um ato que diz muito a respeito de como uma pessoa se vê. Segundo a Associação Americana de Psicologia (APA), atrás da crítica há insegurança e baixa autoestima. Uma pessoa satisfeita consigo mesma mantém uma relação saudável e positiva com as que estão ao seu redor. Por outro lado, quem vive desqualificando os outros costuma ser negativo e até mesmo cruel.

Esse hábito tão prejudicial costuma ser muito sutil e pode influenciar uma pessoa sem que ela perceba. Por isso, é importante tomar cuidado para poder reconhecer esse tipo de pessoa e não agir da mesma maneira.

O que fazer para não se deixar influenciar e não se tornar uma pessoa crítica

Não há nada mais cansativo e tóxico do que estar com pessoas que ficam o tempo todo falando mal dos amigos, dos familiares ou dos colegas de trabalho. Rapidamente e de maneira quase imperceptível, nossa mente se enche de sentimentos negativos.

Quando percebemos que os comentários críticos a respeito dos outros também nos afetam, podemos agir de duas formas. Expressar em voz alta que é errado falar mal de quem não está presente porque a pessoa não pode se defender é o argumento ideal para colocar um ponto final nas críticas destrutivas. A outra opção é simplesmente não falar nada e ir embora.

Criticar nem sempre é errado

Contudo, nem todas as críticas são ruins. Sim, elas podem incomodar e causar um certo desconforto, mas se a pessoa que as apresenta fizer isso com boas intenções, a outra pessoa vai entender, principalmente porque perceberá que será beneficiada no final. Esse tipo de crítica construtiva deve ser feito cara a cara e a pessoa que faz isso mostra um grande nível de empatia, o que é muito positivo e digno.

Por outro lado, a crítica destrutiva costuma ser feita pelas costas dos outros. Ela existe essencialmente para humilhar e machucar. Muitas vezes, o que é dito não tem fundamento ou justificativa, e é por isso que quem critica se esconde e não diz as coisas na cara dos outros.

Como você costuma reagir em situações de crítica? Conhece alguém que costuma criticar os outros o tempo todo? O que você faz para não se deixar afetar? Compartilhe a sua opinião nos comentários.

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Saúde & Bem Estar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Leia também

Tecnologia no futebol: como a inovação está tornando o esporte mais justo e inclusivo.

Futebol é paixão nacional, um esporte que recebe bilhões de dólares em investimento todos …