Connect with us
Análise da Eficácia da Gestão Municipal - Um Olhar Detalhado sobre o Relatório do TCE-SP Análise da Eficácia da Gestão Municipal - Um Olhar Detalhado sobre o Relatório do TCE-SP

Destaque

Análise da Eficácia da Gestão Municipal – Um Olhar Detalhado sobre o Relatório do TCE-SP

Introdução

O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) recentemente divulgou um levantamento detalhado sobre a efetividade da gestão municipal em todo o estado. Nesta análise, nós examinaremos os pontos principais deste relatório, destacando os municípios que se destacaram positivamente e aqueles que precisam melhorar.

Metodologia da Avaliação

O TCE-SP utiliza o Índice de Efetividade da Gestão Municipal (IEG-M) para avaliar a eficiência das prefeituras. O índice leva em consideração 213 parâmetros distribuídos em sete áreas: saúde, educação, planejamento, gestão fiscal, segurança das cidades (Defesa Civil), meio ambiente e governança em tecnologia da informação.

PUBLICIDADE

As administrações municipais são classificadas em cinco faixas: ‘altamente efetiva’ (nota A), ‘muito efetiva’ (B+), ‘efetiva’ (B), ‘em fase de adequação’ (C+) e com ‘baixo nível de adequação’ (C).

Resultados Gerais

Os dados coletados ao longo de 2022 mostram que a maioria dos municípios paulistas, 369 ao todo, recebeu a avaliação geral C, indicando que estão ‘em fase de adequação’. Outros 223 municípios ficaram com C+ e apenas 52 conseguiram a nota B, sendo considerados ‘efetivos’. Infelizmente, nenhuma cidade foi classificada como ‘muito efetiva’ ou ‘altamente efetiva’.

PUBLICIDADE

Destaques Positivos

Quatro municípios da Região Metropolitana de Campinas (RMC) foram considerados ‘efetivos’, recebendo nota B no IEG-M. São eles: Indaiatuba, Vinhedo, Jaguariúna e Pedreira. Estes municípios se juntam a outros 48 que receberam a mesma nota em 2023, representando apenas 8% das 644 cidades paulistas.

Evolução de Jaguariúna e Vinhedo

Jaguariúna e Vinhedo foram dois municípios que apresentaram evolução nas notas do IEG-M, passando de C+ para B. Em Jaguariúna, a melhora foi notável no Índice Fiscal, que avalia a execução financeira e orçamentária, a aplicação de recursos vinculados e a obediência à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). A cidade também evoluiu nas notas de Cidade (Defesa Civil e Segurança) e Meio Ambiente.

PUBLICIDADE

Em Vinhedo, houve avanços nos índices de Saúde e Educação, mas um declínio em Planejamento, seguindo a tendência da maioria dos municípios paulistas.

Desafios e Oportunidades

Apesar do progresso em alguns municípios, a situação geral ainda demanda atenção. A maioria dos municípios continua com ‘baixo nível de adequação’, necessitando de melhorias significativas em suas gestões.

PUBLICIDADE

Segundo Sidney Beraldo, presidente do TCE, o IEG-M serve não apenas como instrumento de fiscalização, mas também como ferramenta para que os prefeitos avaliem suas políticas públicas e, se necessário, corrijam suas rotas e redefinam prioridades.

Conclusão

O relatório do TCE-SP joga luz sobre a importância de uma gestão municipal efetiva e a necessidade de contínua avaliação e melhoria. Com os desafios atuais, a capacidade de planejar e executar políticas públicas eficazes nunca foi tão essencial.

PUBLICIDADE

Siga o Hora Campinas nas redes sociais Instagram, YouTube, Facebook, WhatsApp e LinkedIn

> ‘A gestão efetiva é a chave para um município próspero e, consequentemente, para uma população satisfeita. É imperativo que os prefeitos usem essa ferramenta para aprimorar suas políticas e melhorar a vida de seus cidadãos’, concluiu o vice-presidente da Corte, Renato Martins Costa.

PUBLICIDADE

Para informações adicionais, acesse o site

‘Este conteúdo foi gerado automaticamente a partir do conteúdo original. Devido às nuances da tradução automática, podem existir pequenas diferenças’.
PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE