Connect with us

Destaque

ONG abre inscrições para curso gratuito de programação

Artigo

em

Young african male programmer writing program code sitting at the workplace with three monitors in the office. Image focused on the screen


O curso gratuito de programação da Recode tem como objetivo combater o desemprego no país, capacitando pessoas de baixa renda em uma das áreas que mais geram oportunidades de trabalho atualmente.

A ONG Recode está com inscrições abertas para a turma 2022 do Recode Pro, curso virtual e gratuito de formação de programadores. O curso é voltado para pessoas em situação de vulnerabilidade social e será realizado de maio a dezembro, com quatro horas diárias de aula, de segunda a sexta-feira.

As inscrições estão abertas para pessoas das regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Campinas, Recife, Salvador, Fortaleza, Curitiba, Belo Horizonte, Florianópolis, Porto Alegre e Manaus. O curso busca atender pessoas com faixa etária entre 18 e 39 anos, com ensino médio completo e renda familiar per capita de até um salário mínimo.

A iniciativa tem o objetivo de enfrentar o cenário de desemprego do Brasil. Segundo o IBGE, o país registrou 13,5 milhões de desempregados no terceiro trimestre de 2021, e a renda média era de R$ 2.459.

Rodrigo Baggio, fundador e CEO da Recode, acrescenta que uma pesquisa da Universidade de Brasília mostrou que quase 50% das profissões existentes atualmente no Brasil podem ser substituídas por inteligência artificial, enquanto a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação estima que 421 mil novos postos de trabalho serão criados na área até 2024.

Segundo ele, a proposta do Recode Pro é transformar a tecnologia em um caminho para transformação social.

O Recode Pro tem demonstrado ser um sucesso no desenvolvimento de empregabilidade dos alunos. Para os alunos do ciclo de 2020, o curso atingiu 92% de empregabilidade. Seis meses após o término, a média salarial das pessoas que concluíram o primeiro ciclo era de R$ 4.985.

De 14 de janeiro e 6 de março, os candidatos participarão de um processo de qualificação que inclui 40 horas dos cursos online e um teste de raciocínio lógico. Aqueles com melhor desempenho poderão participar de um hackathon virtual. Os 420 melhores classificados do evento serão os selecionados para o Recode Pro.

O curso garante 40% das vagas para mulheres, e pessoas com identidades LGBTQIA+ terão preferência em caso de empate nas etapas classificatórias.

Para se inscrever, acesse o link.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP

Com informações Repórter Beto Ribeiro

Destaque

Campinas confirma 2ª mulher com varíola dos macacos e totaliza 18 moradores infectados

Artigo

em

Por

Varíola dos macacos tem mais de 1 mil casos em SP — Foto: JN

A Prefeitura de Campinas (SP) confirmou, nesta quinta-feira (4), mais dois casos de varíola dos macacos, o que elevou o total para 18. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, um homem e uma mulher apresentaram sintomas e receberam o diagnóstico. Trata-se da segunda mulher contaminada na metrópole.

“Os pacientes, 16 homens e duas mulheres, têm entre 23 e 50 anos. Seis deles saíram do isolamento. Os demais contam com acompanhamento ambulatorial, sem gravidade e com boa evolução”, informou a administração.

Dos 18 moradores infectados, 11 tiveram contato com o vírus monkeypox fora da cidade e sete contaminações foram autóctones (dentro de Campinas).

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, o atendimento para os pacientes com suspeita da doença ocorre em todos os centros de saúde, prontos-socorros, pronto atendimentos e no Centro de Referência em IST, HIV/Aids e Hepatites Virais.

LEIA MAIS:

Já o boletim desta quinta-feira (4) do governo estadual apontou que Indaiatuba e Paulínia seguem com dois casos, enquanto Vinhedo e Americana continuam com um infectado. Os outros 26 municípios da área de cobertura do g1 Campinas não possuem confirmações.

Em nota, a prefeitura de Vinhedo informou na tarde desta quarta que investiga um novo caso suspeito. Trata-se de uma moradora jovem que não tem histórico de viagem à Europa.

“O exame foi coletado nesta quinta-feira (4) pela Vigilância Epidemiológica, que aguarda o resultado para confirmar ou descartar a doença”, informou a prefeitura. A moradora foi colocada em isolamento.

Avanço exponencial em Campinas

A coceira da varíola dos macacos passa por diferentes estágios até a formação de lesões de pele — Foto: UKHSA

O 1º caso na metrópole foi divulgado em 15 de julho. Uma semana depois, o total subiu para 3. Os registros se tornaram mais frequentes desde então, e só na última semana mais nove pessoas pegaram a doença do vírus monkeypox. Veja a evolução no gráfico abaixo.

A principal forma de transmissão tem sido via contato sexual. Em entrevista ao g1 na quarta-feira (3), quando Campinas chegou a 16 casos, a infectologista da Unicamp Raquel Stucchi avaliou que houve uma falha na comunicação dos riscos aos grupos mais expostos.

“Continuaremos tendo ainda um crescimento exponencial porque falhamos muito na comunicação com os grupos que têm maior risco de exposição e adoecimento. Falhamos nas orientações para divulgar quem são esses grupos e o que eles devem fazer para diminuir o risco de adoecimento, o que eles devem fazer para não transmitir”.

“Ainda teremos um aumento importante do número de casos, que logo logo pode ser que não se restrinjam mais ao grupo que hoje representa mais de 90% dos casos, que são homens que fazem sexo com homens e bissexuais, completou.

Infectologista Raquel Stucchi, da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, — Foto: Ricardo Lima

A médica Raquel Stucchi ainda ressaltou que o período de incubação desta doença é muito longo, de 5 a 21 dias.

“Pode ter pessoas que foram expostas há três semanas e agora estão apresentando os sintomas”.

Lesões e histórico sexual

A doença se apresenta com uma única lesão ou várias na pele, e o histórico sexual tem sido um dos critérios para o diagnóstico. Na maioria dos casos, as feridas aparecem na região genital e perianal – ao redor do ânus – nesses grupos de maior risco, segundo Raquel Stucchi.

“Neste momento, as lesões, particularmente, que aparecem em região genital ou perianal e que tenham possibilidade de exposição epidemiológica, contato sexual com pessoas desconhecidas, mesmo que de sexos diferentes, implicariam, sim, na investigação de monkeypox”.

Segundo o Ministério da Saúde, a exposição em contato íntimo com desconhecidos e/ou parceiros casuais é o primeiro item na lista de vínculos a serem investigados. O vírus pode ficar incubado por até 21 dias.

Como se dá a verificação de casos suspeitos

  • Paciente deve observar:
  • aparecimento súbito de erupção cutânea única ou múltipla, em qualquer parte do corpo;
  • pode ter ou não febre;
  • pode ter ou não crescimento dos gânglios (linfonodos);
  • apuração de vínculos: contato íntimo ou contato com sintomáticos de monkeypox ou histórico de viagem para país com casos positivos ou contato com pessoas que estiveram em país com infectados.
  • No atendimento médico:
  • procurar quando notar a lesão no corpo;
  • o profissional de saúde deve levantar a suspeita já na triagem;
  • paciente passa por avaliação médica;
  • colhe amostras para exame, enviado ao Instituto Adolfo Lutz em SP;
  • Vigilância Sanitária é comunicada;
  • apuração sobre contatos conhecidos do paciente;
  • paciente recebe orientações sobre isolamento e segue em acompanhamento.
  • Se for necessário, é internado em isolamento.

Além do contato sexual, o Ministério da Saúde informa sobre transmissão do vírus por meio de secreções respiratórias e objetos recentemente contaminados. O período de infecção só termina quando as lesões em forma de crostas desaparecem da pele, que volta a ficar íntegra.

Ainda não há previsão para vacinação contra a varíola dos macacos.

VÍDEOS: confira outros destaques da região

Continue lendo

Destaque

Carro e ônibus batem de frente e três pessoas ficam feridas em Campinas

Artigo

em

Por

Acidente entre carro e ônibus ocorreu no Jardim Londres, em Campinas — Foto: Maridalva Bellagama

Três pessoas ficaram feridas após um carro e um ônibus baterem de frente no bairro Jardim Londres, em Campinas (SP), na tarde desta quinta-feira (4).

O caso ocorreu por volta de 16h na Rua Olívio Antônio Castilheri. Até esta publicação, não havia informações sobre o estado de saúde das vítimas.

Segundo a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), o carro estava na contramão e bateu de frente com o ônibus do transporte coletivo.

Os condutores dos dois veículos e uma passageira do carro ficaram feridos. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e a Polícia Militar (PM) atenderam a ocorrência.

Interdição

De acordo com a Emdec, a faixa da direita foi interditada para atendimento da ocorrência. O trecho seguia bloqueado até 17h30 desta quinta.

VÍDEOS: tudo sobre Campinas e região

Continue lendo

Destaque

Homem é esfaqueado na cabeça no centro de Campinas

Artigo

em

Por

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies que são categorizados como necessários são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. Também usamos cookies de terceiros que nos ajudam a analisar e entender como você usa este site. Esses cookies serão armazenados em seu navegador apenas com o seu consentimento. Você também tem a opção de cancelar esses cookies. Mas desativar alguns desses cookies pode afetar sua experiência de navegação.

Continue lendo
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

TAGS

+ VISTOS