Na área do CTI fica também o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP)

Cedoc/RAC

Na área do CTI fica também o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP)


A mudança na direção do Centro de Tecnologia (CTI) Renato Archer tem causado entraves à parceria com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP). O instituto funciona dentro do CTI desde 2013 e oferece Ensino Médio integrado ao técnico, Superior, Pós-Graduação e Extensão e possui cerca de mil alunos. Representante dos estudantes no Conselho Superior do Estado de São Paulo, Elaine Tozzi relata a criação de dificuldades para os alunos e professores do IFSP pelo atual Diretor do CTI, Jorge Vicente Lopes da Silva. De acordo com ela, o objetivo pode ser a expulsão instituto do Campus do CTI.

A troca de diretoria aconteceu no ano passado e, segundo Elaine, desde então uma série de entraves e burocracias têm sido impostos pelo CTI, dificultando a entrada de alunos, professores ou de qualquer pessoa que pretende acessar as dependências do IFSP.

“Ficam inviabilizando o acesso às instalações do instituto através da burocracia com segurança e cadastro. Quem está chegando para se matricular ou qualquer outro cidadão está tendo dificuldade. Tudo precisa de autorização da direção do CTI”, afirma.

De acordo com ela, um aluno que perdeu o prazo de matrícula por não conseguir autorização de acesso à secretaria do instituto recorreu à justiça. “Esse aluno foi impedido de entrar e não conseguiu fazer a matrícula. Ele recorreu à justiça para garantir a matrícula”, relata.

Elaine explica que para entrar no instituto é preciso passar pela portaria e depois por uma recepção e as dificuldades são apresentadas nesses momentos.

No último dia 6, o instituto divulgou um comunicado em seu site afirmando que o acesso é garantido portando apenas carteira de estudante, crachá de identificação ou autorização emitida pela direção do IFSP e que qualquer cidadão pode ingressar no espaço mediante cadastro na portaria. “É garantido o livre acesso, sem qualquer exigência de cadastro adicional, a todo cidadão que faça uso regular ou contribua nas atividades do IFSP Campinas”, traz trecho do documento.

A representante dos alunos diz que até a utilização do auditório está sendo problemas. “Existe uma agenda compartilhada e a reserva é feita automaticamente. De repente o CTI cancelou toda a agenda do instituto”, garante. “Na minha avaliação não querem os alunos do Ensino Médio lá, ficam reclamando, mas nunca teve problema algum. Parece que querem tirar o instituto de lá de qualquer forma”, analisa.

“Em razão de exigências protocolares por parte do CTI algumas pessoas não conseguiram adentrar as instalações do campus Campinas do IFSP. Para solucionar esse problema, o IFSP disponibilizou, a pedido do CTI, um colaborador que ficará na portaria durante o horário de funcionamento do campus com o intuito de organizar o acesso dos alunos e da comunidade à unidade”, respondeu a direção do IFSP via assessoria de imprensa.

A diretoria do campus também fez circular um comunicado informando ao público qual a documentação necessária para um acesso desburocratizado às instalações do IFSP em Campinas. “O IFSP está trabalhando junto ao CTI Renato Archer para minimizar quaisquer impactos negativos que possam ter ocorrido”, conclui.

O outro lado

Por meio de nota, o atual diretor do CTI, Jorge Vicente Lopes da Silva, nega as acusações e garante que o acesso às dependências do CTI, onde funciona o IFSP, segue as mesmas condições de entrada em entidades públicas e privadas, limitando­se à necessidade de identificação do interessado.

“Tal controle é aplicado tanto aos servidores e visitantes do CTI Renato Archer, quanto aos servidores e visitantes do IFSP. Esse controle de acesso é necessário, inclusive, em razão da minha responsabilidade legal pelo patrimônio público e pelas informações sigilosas sob minha guarda bem como pela segurança dos usuários do espaço público, principalmente em casos nos quais a disponibilidade dessas informações seja crítica para o trato de situações emergenciais”, alega o diretor.

O diretor afirma ainda que tem buscado interagir com a direção do IFSP e que já se reuniram duas vezes para discutir as perspectivas da parceria e avaliar os resultados obtidos até o momento.

Silva diz ainda que condições específicas requeridas pelo instituto para seu funcionamento ou para seus eventos, precisam de interação para a definição conjunta das melhores soluções e que está à disposição para essa cooperação. “O CTI Renato Archer desconhece e definitivamente não contribuiu para qualquer eventual prejuízo causado a terceiros decorrente da alegada dificuldade de acesso a suas instalações, ou de qualquer ação judicial relacionada a esse tema. Vale destacar que nas ocasiões em que houve necessidade de reforço na recepção aos usuários do IFSP, detectada pelo próprio CTI Renato Archer, esta instituição não apenas deslocou pessoal adicional de seu quadro próprio quanto de terceiros contratados para atender a essas demandas não rotineiras”, aponta.

O diretor nega ainda que haja problemas na utilização conjunta do auditório. “Cabe mencionar que sou egresso de Escola Técnica Federal, atualmente Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo, e que sempre acolhi e incentivei estudantes e professores do IFSP em suas atividades. Estudantes do IFSP foram contemplados com bolsas de iniciação científica. Já o IFSP foi por mim apoiado com a disponibilização de três doutores em proposição de programa de pós­graduação conjunta quando no exercício de Coordenador do Núcleo de Tecnologias Tridimensionais”, conclui o diretor.

Escrito por:

Francisco Lima Neto


Fonte: RAC

Artigos relacionados
Carregar mais por admin
Carregar mais em Notícias

Deixe uma resposta

Leia também

Sanasa executa obra no Parque das Camélias

Divulgação A Sanasa recomenda aos moradores que façam reserva antecipada ao pe…