Connect with us

Destaque

Cemitérios de Campinas terminam 2021 com quantidade de sepultamentos próxima à de 2019, e especialista aponta efeito da …

Published

on

O Cemitério da Saudade, em Campinas — Foto: Osvaldo Furiatto / Arquivo Pessoal

Após registrar alta em sepultamentos em 2021, com picos ocorridos entre março e julho, os principais cemitérios municipais de Campinas (SP) fecharam dezembro com uma redução em enterros que aproxima a quantidade à registrada no mesmo mês de 2019, antes da pandemia. Os dados foram obtidos com exclusividade pelo g1 junto aos Serviços Técnicos Gerais (Setec).

As estatísticas divulgadas consideram sepultamentos gerais, ou seja, que incluem Covid-19 e outras causas. Apesar disso, na avaliação da infectologista da Unicamp, Raquel Stucchi, a diminuição apontada por elas é um reflexo direto da vacinação em massa, tendo em vista o papel desempenhado pela enfermidade no aumento de óbitos na metrópole. Veja análise abaixo.

Os dados da Setec consideram sepultamentos ocorridos em 2019, 2020 e 2021 no Cemitério da Saudade e Cemitério Parque Nossa Senhora Conceição, conhecido como “Amarais”.

Veja sepultamentos no Cemitério da Saudade
Dados são relativos a 2019, 2020 e 2021
Fonte: Setec

O primeiro óbito por Covid-19 foi confirmado em Campinas no dia 30 de março de 2020. No Cemitério da Saudade, os sepultamentos começaram a aumentar em maio e, neste ano, atingiram o pico em agosto, com 177 enterros. No mês seguinte, em setembro, estas cerimônias começaram a ter queda.

Já em 2021, um novo aumento sequencial foi registrado a partir de março, com 178 sepultamentos. A tendência de alta se manteve nos meses seguintes e, em junho, houve o pico com 185 enterros. Os números passaram a apresentar queda em setembro, com 142.

Em dezembro de 2021, o Cemitério da Saudade registrou 111 sepultamentos, conforme o balanço da Setec.

A título de comparação, em 2019, foram 99 no mesmo mês – o que demonstra que, apesar da aproximação com o patamar anterior, os enterros ainda seguem acima do que se tinha em tempos pré-pandemia. Entenda abaixo.

Veja sepultamentos no Cemitério da Conceição
Dados são relativos a 2019, 2020 e 2021
Fonte: Setec

Maior cemitério da metrópole em volume de enterros, o Cemitério Nossa Senhora da Conceição também passou a ter mais sepultamentos a partir de maio de 2020. Se em 2019 foram 216, neste mesmo mês do ano seguinte, foram 270.

Diferentemente do Cemitério da Saudade, que passou a apresentar queda a partir de setembro, o Amarais manteve uma tendência constante de sepultamentos a mais ao longo do ano. A situação, porém, se agravou em 2021.

Em março deste ano, a unidade viveu o maior pico de enterros do período analisado: foram 469 neste mês. Os números elevados sofreram queda a partir de agosto, com 335 sepultamentos. Em dezembro, o Conceição enterrou 252 pessoas – em 2019, foram 232.

‘Vacinação não é coincidência’

Vacinação contra a Covid-19 em Campinas — Foto: Osvaldo Furiatto

Raquel Stucchi retoma o papel que a Covid-19 teve no aumento da mortalidade e, consequentemente, sepultamentos na metrópole – com picos ocorridos principalmente a partir de março de 2021, na chamada “segunda onda”.

“Quando analisamos esses dados, não é coincidência uma queda a partir de agosto. É uma relação muito clara com o aumento progressivo das pessoas imunizadas no país. E aí fica muito claro também o objetivo com o qual as vacinas foram desenhadas: diminuir internações e mortes”, diz.

Raquel elenca como um marco da vacinação que provocou a queda em mortes o início da imunização de pessoas a partir de 50 anos com comorbidades, que ocorreu em maio na metrópole. Neste momento, segundo ela, a proteção em massa começou a se tornar mais expansiva.

“Nós tivemos, no Brasil, uma campanha de vacinação que atingiu os públicos aptos com agilidade e abrangência depois que houve o início dela. Era esperado, justamente, que ocorresse as quedas que observamos atualmente”.

Questionada sobre a razão de, apesar da diminuição, os sepultamentos em Campinas ainda registrarem índices acima dos observados no fim de 2019, a especialista elenca a parcela da população que ainda não se vacinou contra a Covid-19. Há também, segundo ela, uma dificuldade para compensar os altos números ocorridos em 2021.

“Nós não voltamos ainda porque temos que lembrar que 2021, o primeiro semestre, nós tivemos nos primeiros meses de 2021 o número de mortes maior do que o ano todo de 2020. Essa mortalidade expressiva, mesmo com a melhora da curva, você acaba não conseguindo compensar esses dados tão altos de 2021”, explica.

Preocupação com a variante ômicron

Com as festas de fim de ano e a presença da variante ômicron, o país viu aumentar o número de casos confirmados de Covid-19 e Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Este cenário é preocupante, na análise de Raquel, especialmente com relação à população que não se imunizou contra o coronavírus.

A especialista não descarta a possibilidade de um novo aumento em mortes, ainda que em patamares menores do que os de 2021.

“É possível sim. Possivelmente, não com aumento tão expressivo como no ano passado, mas como a ômicron se transmite muito facilmente, em número de casos, um aumento muito maior do que as variantes anteriores, teremos proporcionalmente um aumento de mortes. Pessoas não vacinadas, crianças, imunossuprimidos e outros que respondem mal à vacinação acabam se tornando mais suscetíveis. Considerando o período de reflexo em mortes, esse é um resultado que podemos ver em duas, até quatro semanas”, lamenta.

Covid-19 em Campinas

Dados atualizados até o dia 5 de janeiro apontam que foram confirmados em Campinas, desde o início da pandemia, 147.494 casos da Covid-19. Deste total, 4.634 evoluíram para óbito.

Com relação à vacinação, foram aplicadas 2.153.651 doses de vacinas, sendo 967.845 de primeira, 957.124 de segunda e dose única, e 228.682 adicionais.

PLAYLIST: tudo sobre Campinas e Região

Destaque

Emdec promove novos ajustes na operação dos ônibus

Published

on

A Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) promove novos ajustes na operação do sistema de transporte público coletivo municipal. Essa é a segunda importante ação, em um período de uma semana. “São ajustes pontuais e que estão ocorrendo de maneira gradual. À medida que detectamos uma maior circulação de pessoas, realizamos as ações. É uma atenção constante com o passageiro”, explica o presidente da Emdec, Vinicius Riverete.

A partir do domingo, dia 23 de janeiro, quatro linhas retomam a operação realizada neste dia da semana: 209 – Chácara Cruzeiro do Sul; 209.1 – Chácara Cruzeiro do Sul; 250 – Boa Vista; e 341 – Jardim São Gabriel. As linhas 209 e 209.1 também voltam a circular aos sábados, a partir de 22 de janeiro.

Na segunda-feira, dia 24 de janeiro, três linhas terão aumento na frota operacional. São elas: 380 – Terminal Central / Cambuí; 392 – San Conrado; e 430 – Swiss Park. Além disso, quatro linhas terão ajustes na programação horária: 135 – Jardim Filadélfia; 192 – Vila Diva; 197 – Jardim Marisa; e 201 – Jardim Santa Rosa.

No último dia 18 de janeiro, as linhas 121 – Terminal Ouro Verde e 432 – Saltinho também tiveram aumento de frota. E a linha 431 – Reforma Agrária sofreu ajuste na programação. A linha 116 – Terminal Ouro Verde / Shopping Dom Pedro também sofreu ajuste na programção, a partir do dia 20 de janeiro, com uma viagem extra no período noturno. São, ao todo, 15 linhas contempladas com as ações.

Nos últimos dias, a Emdec já havia realizado aumento de frota em outras 28 linhas (116; 117; 134; 154; 190; 191; 210; 211; 212; 214; 215; 229; 249; 263; 310; 313; 333; 346; 353; 359; 371; 389; 403; 404; 408; 414; 415; e 422.

Mais atendimento
A partir deste fim de semana, o posto de atendimento da Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Campinas (Transurc), instalado no Terminal Padre Anchieta, também terá atendimento aos domingos, no período das 6h até as 19h. A notícia já havia sido divulgada no último dia 14 de janeiro.

Para saber os pontos de recarga da Transurc, basta acessar www.transurc.com.br/informacoes/onde-comprar/.

Para informações sobre o transporte público de Campinas, a população conta com o aplicativo “Cittamobi”, disponível para os sistemas operacionais Android e iOS. Ele informa, em tempo real, o horário da chegada do ônibus, locais de embarque e desembarque, itinerários, acessibilidade, entre outras funcionalidades.
 

Continue Reading

Destaque

Mais 15 bairros recebem diversas frentes de sinalização viária

Published

on


Entre os dias 14 e 20 de janeiro, mais 15 bairros da cidade foram beneficiados por diversas frentes de manutenção ou requalificação da sinalização viária, realizadas pela Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec). Os trabalhos contemplaram a região Central e os bairros Satélite Íris, Jardim Roseira, Amarais, Jardim São Marcos, Jardim Chapadão, Jardim São Pedro, Jardim do Trevo, Jardim do Lago, Jardim Conceição, Mansões Santo Antônio, Parque Universitário de Viracopos, Vila Brandina, Vila Nogueira e no Distrito de Joaquim Egídio. 

A região Central recebe uma operação para reforço da sinalização de todo o complexo do sistema de estacionamento rotativo pago. Em uma semana, mais de 20 vias receberam revitalização da sinalização que regulamenta a Zona Azul, incluindo demarcação de solo das vagas e renovação das placas. Também ocorreu o reforço da sinalização horizontal das vias como um todo, quando necessário. 

Um projeto de requalificação de toda a sinalização vertical está sendo implantado pela Emdec na Rodovia José Bonifácio Couto Nogueira e na Estrada Municipal Dona Isabel Fragoso Ferrão (CAM-127), que liga o Distrito de Joaquim Egídio à Rodovia D. Pedro I (SP-65). “O objetivo é reforçar a informação sobre a velocidade regulamentada, ampliar a segurança viária e prevenir acidentes, já que pelo trecho circulam ciclistas e animais silvestres”, explica o presidente da Emdec, Vinicius Riverete. 

No Jardim São Pedro, diversas vias receberam completa requalificação da sinalização horizontal e vertical – Rua Antônio Lourenço, Rua Júlio Fernandes, Rua Dr. Homero Ferreira Camargo, Rua Artur Matias e Rua Dr. José de Castro Andrade. Esse trabalho integrado de sinalização também contemplou o Jardim São Marcos (Avenida Maria Luiza Pompeu de Camargo) e o Jardim Conceição (Rua Quinze de Novembro – Sousas). Os três bairros receberam reforço na pintura de faixas de pedestres, faixas zebradas, parada obrigatória (PARE), lombadas, linhas de retenção e contínuas; além da substituição de placas. 

O cruzamento da Avenida Ruy Rodriguez com a Rua Cairú, no Parque Universitário de Viracopos, também recebeu nova sinalização horizontal e vertical. 

A manutenção da sinalização viária vertical (placas) também está sendo intensificada pela Emdec. Somente no período de 14 a 20 de janeiro, 149 novas placas foram implantadas nas vias Santo Antônio Claret (Jardim Chapadão), Papa Paulo VII (Jardim do Trevo), Avenida Mackenzie x Rua Maestro Luís de Túlio (Vila Brandina), Hermantino Coelho e Luiz Otávio (Mansões Santo Antônio) e Avenida John Boyd Dunlop (Satélite Íris). A ação substitui placas que apresentam desgaste ou foram vandalizadas.

Outra frente de trabalho busca qualificar a sinalização vertical de pontos de embarque e desembarque de passageiros do transporte público coletivo. Placas danificadas foram substituídas nas vias Geraldo Sussolini (Jardim Roseira), Dário Freire Meirelles (Amarais), Dário Pompeu de Camargo (Vila Nogueira) e Adão Focesi (Jardim do Lago). Essa última via também recebeu reforço da sinalização de solo. 

Unidades escolares 
Nas próximas semanas, o entorno de diversas instituições de ensino recebe atenção especial por conta do início do ano letivo. A Escola de Educação Básica e Profissional Fundação Bradesco, na região do Jardim do Lago, começou a receber os trabalhos de reforço da sinalização viária horizontal e vertical na última quinta-feira (20/01). Entre os dias 24 e 28, a operação se estende para a EMEF “Profª Elza Maria Pellegrini de Aguiar” (Parque Dom Pedro II) e para as escolas estaduais “Djalma Octaviano” (Jardim Paulicéia) e João Erbolato (Jardim Chapadão). 

Continue Reading

Destaque

Caminhão carregado com mortadela fica completamente destruído após pegar fogo na Rodovia Anhanguera em Limeira, SP

Published

on


O veículo estava em movimento, quando teve princípio de incêndio pelo motor, posteriormente, já parado, o fogo se alastrou, queimando o veículo totalmente.

Um caminhão com placas de Campinas (SP), ficou completamente destruído após pegar fogo no início da tarde desta sexta-feira (21) na Rodovia Anhanguera (SP-330), sentido interior, no Km 149, em Limeira (SP).

De acordo com informações da Polícia Militar Rodoviária, o veículo estava em movimento, quando teve princípio de incêndio pelo motor, posteriormente, já parado, o fogo se alastrou, queimando o veículo totalmente.

Equipes do Corpo de Bombeiros estiveram no local para controlar o incêndio. Uma faixa da rodovia foi interditada. O caminhão estava carregado com mortadela. Não houve vítimas.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP

Com informações Repórter Beto Ribeiro

Continue Reading
Advertisement
Advertisement
Advertisement
Advertisement
Advertisement
Advertisement

TAGS

+ VISTOS