Connect with us

Destaque

Documentário ‘Toninho 20 anos: a verdade é demais para nós?’ é lançado no Globoplay

Artigo

em

Documentário que aborda 20 anos do assassinato do ex-prefeito de Campinas, Toninho, é lançado na globoplay — Foto: Reprodução/globoplay

O documentário “Toninho 20 anos: a verdade é demais para nós?”, que reconta o assassinato do ex-prefeito de Campinas Antonio da Costa Santos a partir de entrevistas inéditas, arquivos da época e documentos sob sigilo, foi lançado nesta sexta-feira (5) na plataforma de streaming globoplay.

Produzido pela equipe do g1 Campinas, o documentário foi publicado pelo portal de notícias em 10 de setembro de 2021, data em que o crime completou 20 anos e prescreveu sem que a autoria fosse identificada.

Agora, o trabalho jornalístico também pode ser assistido gratuitamente na plataforma de streaming. Para isso, basta acessar o globoplay e fazer login.

20 anos sem respostas

O assassinato do ex-prefeito de Campinas completou 20 anos sem que o estado tenha chegado a respostas sobre autoria e motivação. Ao atingir a marca, o crime prescreveu, o que significa que o autor, ainda que seja identificado, não poderá ser punido.

Diante da relevância da data, o g1 lançou o documentário de 45 minutos que resgata memórias da história do arquiteto e da noite do crime, além de trazer à tona documentos que contradizem versões oficiais e revelam a falta de estrutura da polícia para investigações.

Uma decisão judicial construída com trechos de clássicos da literatura nacional e internacional serviu como guia para a criação do documentário.

documentário do G1 caso Toninho — Foto: Guilherme Gomes/G1

No texto de 100 páginas – narrado no documentário pelo próprio juiz do caso -, o magistrado empresta palavras de Shakespeare, Drummond, Guimarães Rosa e outros autores para elaborar e antecipar um veredicto que perduraria por 20 anos: a falta de respostas contundentes do Estado brasileiro sobre a autoria do assassinato do político do PT.

O assassinato de Toninho foi um dos primeiros crimes contra um chefe do Executivo a ganhar repercussão nacional na democracia brasileira. Para testemunhas da vida política do petista, o crime tem relação direta com a atuação dele na esfera pública.

Toninho foi assassinado com um tiro na aorta enquanto fazia sozinho o trajeto de um shopping da cidade até a casa dele. O então prefeito estava sozinho em seu veículo particular, um carro popular que fazia questão de usar fora do horário do expediente porque defendia que veículos oficiais só fossem usados em compromissos públicos.

Toninho morreu no local do crime poucos minutos depois de deixar uma mensagem amorosa na caixa postal da filha, Marina. A mensagem, obtida com exclusividade pela EPTV, é um dos momentos emocionantes do documentário.

Antônio da Costa Santos foi morto em 10 de setembro de 2001, dez dias após completar 8 meses à frente da Prefeitura de Campinas — Foto: Reprodução/Quem Matou Toninho

A partir daquela noite de 10 de setembro, a notícia tomaria todos os jornais e telejornais brasileiros. Tudo indicava que a história figuraria em destaque no noticiário nacional por dias, talvez meses. Mas o imponderável aconteceu. No dia seguinte ao crime, o mundo amanhecia perplexo ao assistir o desmontar das torres gêmeas durante o ataque terrorista em Nova Iorque. E a atenção dada ao assassinato do prefeito passaria a segundo plano.

Para amigos e familiares, a perda de notoriedade do caso contribuiu em certa medida com o desfecho do crime que, em 2021, prescreveu sem que se descobrisse a autoria e com um pedido do Ministério Público para arquivamento.

A Polícia Civil e o Ministério Público chegaram a denunciar, à época do crime, o sequestrador Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, em uma versão que nunca foi aceita pela Justiça por falta de provas.

A Polícia Civil chegou a sustentar que Toninho havia sido morto por “atrapalhar” o trânsito de membros da quadrilha de Andinho que estariam em fuga pela avenida. Já o MP aponta que a motivação do crime nunca foi descoberta.

Para a família, trata-se de um crime político e, diante da falta de conclusão, a esposa e a filha, que durante todo o tempo cobraram sem sucesso a entrada da Polícia Federal nas investigações, agora acionaram a Organização dos Estados Americanos (OEA) para pedir a condenação do estado brasileiro por omissão nas investigações do assassinato do político.

Em 2020, Toninho ganhou um neto e o documentário mostra como esposa e filha do político têm tentado contornar a dor e a mágoa pela falta de respostas para contar ao pequeno o legado do avô para a história da cidade e do país.

VÍDEOS: destaques da região de Campinas

Destaque

Campinas participa da vigília nacional em prol da democracia

Artigo

em

Por

Campinas teve na quinta-feira (11) duas manifestações populares em defesa da democracia, das eleições de outubro e de respeito aos resultados das urnas. Um dos atos foi realizado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), com a leitura de duas cartas destacando a importância da preservação do estado democrático de direito, evento que se repetiu em 22 capitais brasileiras. Também ocorreu manifestação no Largo do Rosário, no Centro.

Apesar do frio no período da manhã, o Teatro de Arena da Unicamp, que tem capacidade para 800 pessoas, ficou tomado durante a leitura do “Manifesto da Unicamp pela Democracia” e da “Carta às Brasileiras e Brasileiros em Defesa do Estado Democrático de Direito!”, elaborada pela Faculdade de Direito da USP. A ação, que também foi transmitida pelo canal da instituição no YouTube, foi uma iniciativa conjunta da reitoria, da Associação dos Docentes da Unicamp (ADunicamp), do Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp (STU) e da Associação Central de Pós-Graduação da Unicamp (APG).

O ato contou com a participação de professores, funcionários, alunos, cinco ex-reitores, políticos de Campinas e da região. A coordenadora-geral da Unicamp, Maria Luiza Moretti, representou o reitor Antonio José de Almeida Meirelles, que esteve em São Paulo participando da manifestação na USP. A cerimônia teve um forte peso político, com o público se manifestando durante os discursos em favor da democracia e das eleições.

Várias vezes foram repetidas a frase “Fora Bolsonaro”, referência ao presidente da República e candidato à reeleição, que tem atacado sistematicamente o processo eleitoral, ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), além de defender o golpe militar de 1964 e insinuar repetidamente a possibilidade de uma nova ruptura institucional. Em algumas oportunidades foi gritada a frase “Lula lá”, menção ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que também disputará o Palácio do Planalto em outubro.

Apesar dessas reações, poucas pessoas usavam camiseta ou outra peça com referência a candidatos ou partidos políticos. Além da democracia e eleição, a manifestação da Unicamp também defendeu o ensino público gratuito e a ciência.

Durante seus discursos, os ex-reitores da universidade lembraram outras oportunidades em que a instituição se posicionou a favor do estado democrático de direito e contra a ditadura militar, que durou de 1964 a 1985, e a intervenção que sofreu entre 1981 e 1982. 

A escolha da data de 11 de agosto para a realização da manifestação nas universidades se deve ao fato de ser nesse dia, em 1827, que o imperador D. Pedro I decretou a instalação de cursos jurídicos no Brasil. 

O manifesto da Unicamp foi lido pela professora Andréa Galvão, enquanto a carta da USP foi apresentada por Silvia Santiago, diretora-executiva de Direitos Humanos da Unicamp, e por Rodolfo Ilari, professor emérito da universidade. Na sequência, o público acompanhou a transmissão da leitura realizada na Faculdade de Direito da USP. 

A outra manifestação em favor da democracia foi realizada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), sindicatos, partidos políticos, estudantes e entidades sociais no Largo do Rosário, reunindo cerca de 100 pessoas. Durante o ato, várias pessoas se pronunciaram a favor das eleições em outubro e do respeito aos resultados do pleito. Após os pronunciamentos, os manifestantes realizaram uma passeata pela Avenida Francisco Glicério até o Largo do Pará. Eles ocuparam duas fixas da via, o que deixou o trânsito lento. Não foi registrado qualquer incidente.

“Temos que apoiar toda e qualquer manifestação pela democracia. É essencial, principalmente neste momento em que é preciso reafirmar os princípios democráticos”.

José Henrique Rodrigues Torres, representante da Associação dos Juízes pela Democracia

“Esse é um momento histórico, um dia de orgulho de ser da Unicamp. Estamos vivendo um desmonte que vai além da democracia. Temos que ter responsabilidade e respeito pelas mulheres, LGBTs e negros. As pessoas devem ser valorizadas. Com responsabilidade, respeito e uma pitadinha de carinho, vamos derrotar os que se dizem democratas e não colaboram com a sociedade”.

Elisiene Lobo, representante do Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp (STU)

“A democracia está sendo atacada de forma acintosa, de uma forma que não foi nas últimas quatro décadas e por pessoas públicas, pela Presidência, que deveria defender a democracia. É uma defesa que deve ser estendida a todas as pessoas, independente da raça, gênero, orientação sexual e classe social. Todas as pessoas devem ser tratadas da mesma maneira”.

Paulo Cesar Centoducatte, presidente da Associação dos Docentes da Unicamp

“Este é um momento de luta em defesa da democracia. Nós precisamos nos alimentar desse momento, não é apenas uma carta. Precisamos assumir que, para que isso seja possível, muitas pessoas lutaram. Fora Bolsonaro! Viva a democracia!”

Renan Oliveira, representante da Associação Central de Pós-Graduação da Unicamp (APG)

“Este é um marco histórico, é o compromisso com a democracia. Isso nos faz dar as mãos em um momento em que temos que encarar o mal que nos espreita. É o mal que deprecia a democracia e seus princípios. Fora Bolsonaro”.

Carlos Vogt, reitor de 1990 a 1994

“A Unicamp sempre se posicionou na luta pela democracia e é essa história que temos que defender”.

José Martins Filho, reitor de 1994 a 1998

“É hora de tomar uma posição clara e decisiva em defesa do estado democrático de direito, liberdade, educação e ciência”

Fernando Ferreira Costa, reitor de 2009 a 2013

“Esse ato, sem dúvida nenhuma, se estabelece na história dessa universidade, que sempre se posicionou em favor da democracia, da liberdade. É uma instituição preocupada com o melhor para a sociedade brasileira. Sem democracia não há cidadania. A cidadania somente se cumpre com a educação”.

José Tadeu Jorge, reitor de 2005 a 2009 e de 2013 a 2017

“Esse é um momento importante, decisivo para o nosso país. Nós nos encontramos em um momento de insegurança, incerteza e pessimismo com o futuro. Parece incrível que nós tenhamos que nos reunir aqui pela democracia, que parecia algo tão solidificado”.

Marcelo Knobel, reitor de 2017 a 2021

“As universidades públicas paulistas estão juntas em defesa da democracia no país. Não podemos esquecer o que o passado nos ensinou, o que está nas escritas, nos livros. Infelizmente, o nosso regime militar inspirou a ditadura em vários países latino-americanos”.

Maria Luiza Moretti, coordenadora-geral a Unicamp

Assuntos Relacionados

Compartilhar

Continue lendo

Destaque

Campinas recebe recital gratuito com o violista Gabriel Marin

Artigo

em

Por

Neste sábado (13), o violista Gabriel Marin será o convidado da série Encontros do Conservatório Carlos Gomes, em Campinas. Apresentação com o músico começa a partir das 15h e será gratuita e aberta ao público em geral. 

Marin vai fazer um recital, além de dar uma aula aberta e conversar sobre a sua profissão e a versatilidade da viola na música. Natural de Piracicaba, ele foi aluno do conservatório, estudou na Dinamarca e participou do Verbier Festival & Academy, na Suíça. Hoje, ele é violista do Quarteto Carlos Gomes e da Orquestra Sinfônica da USP (Osusp). Também é fundador e idealizador do Encontro Campestre de Violas e professor de viola e coordenador de Música de Câmara no Instituto Baccarelli.

PROGRAME-SE

“Encontros do Conservatório Carlos Gomes”

Quando: sábado, (13/08) às 15h

Onde: Conservatório Carlos Gomes – R. José Freitas Amorim, 155, Jd. Santa Cândida

Assuntos Relacionados

Compartilhar

Continue lendo

Destaque

CÂMARA DE VALINHOS APROVA CARTÃO PARA GESTANTES USAREM VAGAS DE ESTACIONAMENTO

Artigo

em

Por

A ideia é que o cartão da gestante funcione de forma semelhante ao cartão oferecido aos idosos

Os vereadores aprovaram por unanimidade na sessão desta terça-feira (9), o projeto de lei cria um cartão para as gestantes de Valinhos usarem nas vagas de estacionamento reservadas. A proposta é de autoria da vereadora Simone Bellini (Republicanos) e tem o objetivo de facilitar a locomoção de mulheres grávidas na cidade.

Caso o projeto seja sancionado pela prefeita Lucimara (PSD), o cartão deverá ser emitido pela Secretaria de Mobilidade Urbana e terá validade de 24 meses, compreendendo todo o período gestacional e os primeiros meses de vida da criança.

Simone Bellini (Republicanos)

O texto aprovado na Câmara também traz diretrizes para a implantação de vagas específicas para mulheres grávidas, com dimensões um terço maior do que as vagas comuns, e sinalização adequada.

Em entrevista à TV Câmara, Simone Bellini afirmou que a ideia é que o cartão da gestante funcione de forma semelhante ao cartão oferecido aos idosos. “Da mesma forma que temos o cartão do idoso, agora vamos ter o cartão da gestante. Esse cartão tem a duração de 24 meses justamente para pegar toda a gestação e o nascimento do bebê, para essa mãe ter um acolhimento melhor”, afirmou.

Continue lendo
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

TAGS

+ VISTOS