Pesquisadores do país criam tecnologias para substituir insumos importados contra Covid-19

Pesquisadores do país criam tecnologias para substituir insumos importados contra Covid-19

A busca por testes de coronavírus aumentou a disputa mundial por insumos, todos importados. Com isso, prazo para entrega e custos dispararam no mercado. Para driblar essa dependência, cientistas da Unicamp estabeleceram um novo protocolo, utilizando e validando reagentes nacionais para o diagnóstico da Covid-19.

Em parceria com empresas de biotecnologia e startups da região de Campinas (SP), os pesquisadores que desenvolveram o teste ‘padrão ouro’ da Organização Mundial de Saúde (OMS), já credenciado junto ao Instituto Adolfo Lutz, conseguiram diminuir o tempo de produção e reduzir o custo em até 10%.

Os produtos, testados e já comparados e aprovados em relação aos importados, são utilizados ao longo de toda a cadeia do exame – da extração do material genético do vírus ao diagnóstico final. A ideia é que o teste utilizado na Unicamp tenha 100% de insumos nacionais.

“O que nós pretendemos fazer é montar uma linha sistemática de substituição de cada um desses reagentes, etapa por etapa, e tentando validar cada um desses reagentes que são substituídos. Isso elimina a nossa dependência com a importação de insumos para esses testes”, destaca Munir Salomão Skaf, pró-reitor de pesquisa da universidade.

Segundo Skaf, diante da demanda mundial pelos reagentes importados, nem sempre há garantia de que o insumo chegue, mesmo que você compre.

“É fundamental que se substituam esses reagentes por reagentes da indústria nacional.”

Pesquisadores da Unicamp investem no uso e validação de reagentes nacionais para teste de coronavírus — Foto: Ricardo Custódio/EPTVPesquisadores da Unicamp investem no uso e validação de reagentes nacionais para teste de coronavírus — Foto: Ricardo Custódio/EPTV

Pesquisadores da Unicamp investem no uso e validação de reagentes nacionais para teste de coronavírus — Foto: Ricardo Custódio/EPTV

Os reagentes produzidos por uma empresa de biotecnologia de Paulínia (SP) foram encomendados pela força-tarefa da Unicamp, e possuem uma sequência específica para utilização nos testes.

“O que nós fizemos foi encomendar para uma empresa brasileira que já fabricava esse tipo de produto e aplicar ele para testar, verificar se detectássemos com a mesma eficiência, com a mesma qualidade do importado. E o resultado foi positivo”, conta André Vieira, professor de fisiologia da Unicamp.

Segundo Paulo Roberto Pesquero, diretor da empresa, são produzidos diariamente insumos para a realização de 100 testes por dia, e o grupo tem ampliado a produção. Mais do que um custo menor, ele aponta como vantagem do reagente nacional o prazo de entrega.

“Eu diria em torno de 5% a 10% mais barato, mas o ponto mais importante é o prazo de entrega. Como a gente produz aqui no Brasil, a gente consegue entregar, acelerando a nossa produção, em até três dias. Enquanto que os fornecedores internacionais são 15, 30 dias, ou até mais”, explica.

Empresa de biotecnologia de Paulínia (SP) sintetizou o reagente para o teste a pedido da Unicamp — Foto: Ricardo Custódio/EPTVEmpresa de biotecnologia de Paulínia (SP) sintetizou o reagente para o teste a pedido da Unicamp — Foto: Ricardo Custódio/EPTV

Empresa de biotecnologia de Paulínia (SP) sintetizou o reagente para o teste a pedido da Unicamp — Foto: Ricardo Custódio/EPTV

Bactérias geneticamente modificadas

Uma outra empresa de biotecnologia parceira no desenvolvimento do teste nacional “nasceu” dentro da Unicamp, e usa bactérias geneticamente modificadas para produção de enzimas necessárias para a multiplicação do material genético do vírus, essencial no processo de detecção e confirmação da infecção.

“As enzimas que nós produzimos hoje elas têm a função de multiplicar a cópia do DNA viral do coronavírus. E essa multiplicação faz com que a gente consiga detectar nos equipamentos, e com isso quantificar e achar a presença do vírus nas amostas de pacientes”, detalha Robson Tramontina, diretor de pesquisa e desenvolvimento da empresa.

O exame desenvolvido pelos pesquisadores da Unicamp é utilizado no Hospital de Clínicas (HC) da universidade, em Campinas (SP), e pelo menos 200 pacientes já foram testadas.

Empresa que nasceu dentro da Unicamp usa bactérias geneticamente modificadas para produzir enzimas necessárias ao teste de Covid-19 — Foto: Ricardo Custódio/EPTVEmpresa que nasceu dentro da Unicamp usa bactérias geneticamente modificadas para produzir enzimas necessárias ao teste de Covid-19 — Foto: Ricardo Custódio/EPTV

Empresa que nasceu dentro da Unicamp usa bactérias geneticamente modificadas para produzir enzimas necessárias ao teste de Covid-19 — Foto: Ricardo Custódio/EPTV

CORONAVÍRUS

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Leia também

Mulher de 61 anos tem alta após 97 dias internada com coronavírus em Campinas, SP

A saída dela foi registrada em vídeo, divulgado pela prefeitura na sexta (23). Teve balões…